terça-feira, 4 de fevereiro de 2014

Aleijadinho não existiu me enganaram na faculdade

As famosas esculturas são provavelmente fruto de vários e talentosos artistas , que dividiam o trabalho entre si e tinham ajudantes . E a imagem de Aleijadinho como uma pessoa desfigurada pode ter sido uma criação literária .
Ao contrário da história do séc. 19 , a atual não se preocupa em criar ícones de heroísmo nacional e descrever grandes feitos . Na verdade , uma grande parte dos intelectuais de hoje se dedica a investigar como grandes ledas da história ganharam forma – e esse trabalho tende a destruir mitos consagrados. Um exemplo  dessa tendência é o livro Aleijadinho e o Aeroplano ,publicado pela  historiadora Guiomar de Grammont ,da Universidade Federal de Ouro Preto, em 2008.A obra mostra como a imagem do escultor mineiro Antônio Francisco Lisboa ,o aleijadinho, não veio de documentos históricos mas da cabeça de um escritor. A primeira biografia de Aleijadinho foi escrita pelo  jurista  e deputado mineiro Rodrigo Ferreira Bretas em 1858.Mesmo sem fontes e documentos para provar o que dizia ,Bretas descreveu seu personagem de forma horripilante .O mais provável é que a fonte da inspiração da biografia de Bretas eram personagens literários populares no séc. 19, como Quasímodo, o corcunda de Notre Dame ,do livro do escritor francês Victor Hugo. Os dois são impressionantemente parecidos .O personagem de Bretas era tão fascinante que pegou . O biógrafo ganhou prêmios de Dom Pedro II, e virou sócio-correspondente  do Instituto  Histórico e Geográfico Brasileiro. No começo do séc. XX ,os modernistas viram em Aleijadinho a expressão da cultura mestiça brasileira  ,já que o escultor era filho de um português com uma escrava .O problema é que  isso é uma das poucas coisas que se sabe mesmo sobre  An tônio  Fracisco Lisboa .Não só a biografia escrita sem base em documentos e décadas depois da sua morte não ajuda  como também há outro empecilho  : não dá para saber quais obras realmente são dele .Não havia o costume de assinar esculturas  naquela época. Mas a lenda em torno de seu nome ficou tão forte que Aleijadinho virou uma grife . E o número de obras atribuídas a ele explodiu . Na década de 1960 eram 160 esculturas ; hoje são mais de 400.Pesquisadores consideram isso um exagero. Mas ao que parece, a verdade não importa tanto . A aura vale mais .Só que a nova historiografia pode acabar com isso .

Nenhum comentário:

Postar um comentário